O evangelho e a nossa responsabilidade

images

E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. (Marcos 16:15)

Não sei se todos vocês sabem, mas diariamente eu estou no hospital – trabalhando – e eu tenho a oportunidade de ver e viver coisas extraordinárias. No artigo de hoje vou relatar algo que eu vivi recentemente.

Eu estava no pronto socorro fazendo meu serviço, naquele dia ainda não havia acontecido nada que pudesse chamar minha atenção, mas de repente ouço o barulho da sirene e todos nós vamos correndo para prestar atendimento. A mulher estava com ferimentos leves, já a mãe não estava bem. Encaminharam ela para outra sala. Infelizmente ela não aguentou, faleceu. A jovem ainda não sabia da notícia, só depois de algumas horas que ela ficou sabendo o que realmente havia acontecido. Nesse instante havia dor e muito choro.
Vocês devem estar lendo e achando o clima desse artigo muito tenso, não é? Eu entendo! Nós nunca vamos aceitar/entender a morte.

Nesse dia eu fiquei pensando em tudo o que havia acontecido, e a maior angústia não era simplesmente por toda aquela situação, mas por não saber se alguém, se um de nós, cristãos teve a coragem/iniciativa de falar do amor de Jesus para essa mulher.

Existe uma falha muito grande em nosso meio. Hoje, infelizmente para muitos, o evangelho virou moda, comprar sapatos se tornou muito mais importante do que talvez distribuir algumas marmitas, nós esquecemos que a partir do momento em que nós conhecemos esse amor, nós temos a obrigação, a responsabilidade de falar de Jesus.

Temos vários exemplos de homens que fizeram muito pelo evangelho. Um deles foi Paulo. Há os que se perguntam: quando Paulo se referia ao amor de Cristo, afirmando que se sentia impulsionado por ele, referia-se ao seu amor por Cristo ou ao amor de Cristo por ele? É preciso entender sua afirmação nos dois sentidos, uma vez que o amor de Jesus por ele gerava seu amor por Cristo. O amor de Deus é sempre o ponto inicial: Ele não nos ama porque somos bons; nos ama porque ele é bom e é próprio do amor expandir-se. Nosso amor por Deus e pelo próximo é uma resposta a esse amor. Em outras palavras: nós amamos com o amor que Cristo coloca em nosso coração.

Esse amor nos pressiona, nos compele, nos impele, nos estimula a amar.

Ao seguir Jesus descobrimos que é o rosto de Cristo que está presente no rosto de cada pessoa. Paulo sentia necessidade irresistível de levar a outros a experiência que ele próprio havia feito, a ponto de exclamar: “Ai de mim se eu não anunciar o evangelho”. Diante da urgência da missão evangelizadora, ele aceitava enfrentar prisões e perseguições, fome, nudez e calúnias. Para ele, o importante era que Cristo fosse conhecido, amado e seguido.

Muitas pessoas estão perdendo suas vidas, porque nós, cristãos, não queremos perder as nossas.

Contudo, quando prego o evangelho, não posso me orgulhar, pois me é imposta a necessidade de pregar. Ai de mim se não pregar o evangelho! (1Coríntios 9:16)

Que a Graça e a Paz do nosso Senhor Jesus esteja sobre sua vida,

[avatar user="alesanfer " size="original" align="left" link="http://jovemradical.com.br/?staff=prs-alessandro-e-ana" target="_blank"] [/avatar]

Alessandro

 [fbcomments]